Grupo Conserpa Enger

Prestação de imóvel pode sair mais barato do que aluguel

Em alguns casos, desconto chega à metade do valor.

Consórcio-imobiliário-é-encarado-como-porto-seguro-para-agências-bancárias-no-Brasil

Com o aumento da renda da população e a queda nos juros, comprar um imóvel pode sair mais barato do que pagar um aluguel. Na Paraíba, o setor imobiliário continua em ascensão, impulsionado pelo programa do Governo Federal Minha Casa, Minha Vida, que desburocratizou o processo de compra do imóvel. Até autônomos podem comprar pelo programa, que oferece abatimento de até R$ 17.900 no imóvel.

De acordo com a gerente comercial de vendas da Teixeira de Carvalho, Fabiana Lemos, a primeira grande vantagem são os subsídios, principalmente o de taxa de juros, que é menor para o cliente com renda familiar até R$ 5 mil, que deseja comprar um imóvel de até R$ 170 mil. “Quem está nesse perfil, está apto a participar do Minha Casa, Minha Vida automaticamente. Com isso, o cliente vai ter um desconto de praticamente metade do valor de juros e também vai receber subsídios no valor do imóvel, que vai de R$ 2.113 ate R$ 17.980. Além disso, o comprador ainda tem direito a descontos na taxa de cartório e no Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI)”, explicou.
Podem se candidatar a uma casa famílias de três faixas de renda: até R$ 1.600; de R$ 1.601 a R$ 3.275; e de R$ 3.276 a R$ 5.000. A faixa 1 recebe o maior subsídio do governo e pode chegar até 95% do valor de imóveis. O preço máximo da casa tem ser de até R$ 76 mil. É a chamada habitação de interesse social. Essa parte da população não teria acesso à casa própria sem o auxílio governamental.

Segundo a assessoria de imprensa da Caixa, para o faixa 1 não é exigida entrega de documentação por parte do beneficiário para comprovação de renda. O banco faz pesquisas nos cadastros do FGTS, relação anual de informações sociais (RAIS) e cadastro único de programas sociais (Cadiunico) para validar a renda declarada e enquadramento do programa.

Fonte: Aline Guedes – Correio da Paraíba

Compartilhe: